Não consigo me lembrar de Natal, ou mesmo final de ano que não tenha na mesa um prato redondo ou oval com muitas rabanadas, polvilhadas com muito açúcar e canela. Eu sempre me perguntei de onde os portugueses tiraram essa tradição, como as modestas rabanadas foram parar na mesa de Natal? Afinal os franceses as chamam de ?pão perdido?, e não as servem em ocasiões de festa. Os norte-americanos numa adaptação às influências européias apelidaram as rabanadas de ?torradas francesas?, numa referência provável à maneira que chegaram até lá, pela região sul dos Estados Unidos que foi durante muitos séculos uma colônia da França.

Natal é a festa da esperança por um futuro melhor, festeja-se o dia em que, na tradição cristã nasceu o salvador de todos aqueles que querem melhorar de vida. Assim as modestas rabanadas, um reaproveitamento de pão dormido, mas temperado com o doce do novo mundo, o açúcar, e o mistério das especiarias ? no caso a canela, nos ensina que a vida é feita de duras realidades, temperadas com a doçura do afeto e mistérios encantadores. Feliz Natal e que o Ano de 2009 traga muita alegria.